Criar conhecimento na empresa: verdade ou utopia?6 min read

Criar conhecimento na empresa. Isso não lhe parece título de uma obra familiar? Sim, estou me referindo à obra de Nonaka e Takeuchi, ainda dos anos 1990, que trata justamente da criação do conhecimento na empresa: como criar a inovação contínua.

Mas, porque retomar este assunto então? Justamente, porque, para muitos, criar conhecimento na empresa ainda é uma utopia.

Olá Gente Boa!

Desejo que vocês estejam muito bem! 🙂

Falar sobre criar conhecimento na empresa nem parece ser um assunto para o nosso espaço Homines Formatam, não é mesmo?

De fato, este espaço é destinado às reflexões sobre a Liderança Inteligente. Contudo, não deveria ser a preocupação de todo(a) Líder Inteligente, do século XXI, a criação, ou não, de conhecimento na sua empresa?

Por quê?

Ora, se vivemos no que costumamos chamar de Sociedade do Conhecimento, logo, criar conhecimento na empresa parece ser extremamente relevante.

Conhecimento se cria em qualquer lugar? Não será uma exclusividade da Academia?

Tenho convicção de que não sou o único que já ouviu a célebre citação: conhecimento se cria na Academia. Quer dizer, só é possível criar novos conhecimentos nas Escolas, Faculdades, Universidades etc.

Será mesmo uma verdade?

Na realidade, não é mentira que se cria conhecimento na Academia, de uma forma geral. De fato, isso acontece.

Porém, é inegável também que criar conhecimento na empresa não só é possível como é extremamente necessário. Embora seja apenas  para as organizações que desejarem sobreviver a este século de transformações.

Há um comparativo, o qual já utilizamos mais de uma vez por aqui, mas que pela sua relevância, vale  trazer à tona novamente.

Refiro-me ao comparativo entre a Era Industrial e a Era do Conhecimento, ou seja, a era que estamos vivenciando.

criar conhecimento na empresaFonte: Aprendizagem e desenvolvimento de pessoas. Paulette Alberé Alves de Melo … [et al.]. Rio de Janeiro. Editora FGV: 2015 p. 16

A questão que se apresenta a todos na empresa, mas especialmente aos Líderes Inteligentes, é: será possível adequar-se ao Paradigma da Era do Conhecimento sem criar conhecimento na própria organização?

Criar conhecimento na empresa, como isto acontece

Você que acompanha um pouco do nosso trabalho já sabe que defendemos as premissas da Teoria da Criação do Conhecimento, de Nonaka e Takeuchi.

Pois bem, uma das premissas de tal Teoria é a espiral de conversão do conhecimento, assim representada:

criar conhecimento na empresa

Mas o que tem a ver a Espiral do Conhecimento com criar conhecimento na empresa?

Segundo foi explicitado pelos estudos de Nonaka e Takeuchi, a criação de novos conhecimentos acontece justamente ao se “rodar” esta espiral, denominada de SECI. Este termo, SECI, vem de Socialização, Externalização, Combinação e Internalização.

Na prática, como se pode observar na Espiral do Conhecimento, há a conversão entre o conhecimento tácito e o explícito e vice-versa. Justamente nesta conversão é que se criam novos conhecimentos.

Então, ao se perceber, com o mínimo de atenção, pode-se verificar que a Espiral do Conhecimento pode “rodar” em qualquer ambiente. Basta que haja pessoas com objetivos comuns e o desejo de aprender e/ou criar algo novo.

Quer dizer que criar novos conhecimentos envolve uma questão de desenvolvimento de competências?

Está aí uma questão relevante.

Vejamos que para que a criação de novos conhecimentos aconteça, ou seja, para que se rode a Espiral do Conhecimento, faz-se necessário:

  1. Conhecimento: obviamente, pois é a base da espiral.
  2. Habilidade: entendida aqui como o know-how, o “como fazer”. Aliás, bastante evidente na fase da Internalização da Espiral do Conhecimento.
  3. Atitude: caso não haja a vontade, atitude positiva, de querer aprender, não haverá força sobrenatural que faça com que as pessoas façam rodar a Espiral do Conhecimento. Isso pode ser em casa, na escola, na faculdade, na entidade empresarial ou em qualquer empresa.

Então, pode-se dizer que sim: gestão do conhecimento (especificamente aqui criar conhecimento) e gestão por competências tem uma ligação umbilical.

Definidos estes aspectos, que são relevantes, vale nos voltarmos ao papel da Liderança Inteligente, em todo este processo.

Qual é papel da Liderança Inteligente para se criar conhecimento na empresa?

Ao considerarmos as ideias de Peter Senge, na sua célebre obra A Quinta Disciplina, pode-se dizer que o papel da Liderança Inteligente é agir muito mais como um(a) educador(a) do que qualquer outra coisa.

Sim, pois em todo o processo de criar conhecimento na empresa está implícito o processo da aprendizagem.

Ocorre que a aprendizagem nas organizações precisa, ao menos, ser permitida. O ideal é que seja estimulada.

Como assim ser permitida?

De fato, há inúmeras organizações que estão tão “manualizadas”, tão fechadas em seus processos e procedimentos que qualquer ideia nova é, no mínimo, desestimulada.

Ora, sem espaço para que haja Socialização, Externalização, Combinação e Internalização, não há que se falar em criar conhecimento na empresa.

Acontece que a base destes processos de conversão do conhecimento tácito e do explícito é a aprendizagem contínua.

Não é à toa que aqui na Conducere, defendemos a seguinte equação:

Criar conhecimento na empresa, mas não visar a inovação contínua é desperdiçar recursos

De fato, esta é uma questão tão básica, mas que não poderia deixar de abordar aqui.

Considerando que as empresas são entidades, as quais necessitam sobreviver pela geração de lucro, ou mesmo de superávit, não há que se falar em outra visão a não ser gerar inovação para gerar/manter seus diferenciais competitivos.

Você concorda com isso?

Então, criar conhecimento na empresa deve levar à inovação contínua. Da inovação devem-se extrair diferenciais competitivos duradouros.

Por isso mesmo é que reitero aqui: a Liderança que não estimular a inovação com propósito estará desperdiçando os recursos da sua organização.

Isso não quer dizer, absolutamente, que toda a criação de novos conhecimentos vai, necessariamente, gerar diferenciais competitivos imediatos e duradouros.

Quero dizer com isso que deve haver espaço para errar, aprender e reaprender. Contudo, sempre com o propósito de gerar inovação. O que, de fato, sustentará os diferenciais competitivos da organização.

Vamos ampliar esta discussão, de forma personalizada, na sua organização

criar conhecimento na empresaTenho um convite especial para você, hoje: levar esta discussão, e ampliá-la, através desta edição do nosso Painel Interativo:

Intelligent Leardership: aprendizagem, conhecimento e inovação.

Você pode perguntar: mas como de forma personalizada?

Para responder a esta sua inteligente questão, quero lhe convidar a conhecer um pouco da nossa metodologia aplicada às edições do Painel Interativo Conducere.

Nós aplicamos no nosso dia a dia os conceitos da Andragogia, ensino de adultos. Além, é claro, de usar as tecnologias educacionais mais assertivas para este processo.

Fico na expectativa de podermos conversar pessoalmente!

Até breve!

Abraços.

Créditos

Texto: Jocelito André Salvador

Imagem destacada: Freepik.com

Compartilhe

Outros artigos relacionados à Inteligência Corporativa:

Respeito às pessoas e a Liderança Inteligente Você já se deu conta que ensinar, aprender, inovar e liderar estão intimamente relacionados, com o respeito às pessoas, nas empresas inteligentes?...
Protagonismo na vida, você tem ou simplesmente dei... Ter protagonismo em sua vida é essencial para exercer a Liderança Inteligente. Isso, de forma alguma, quer dizer que o protagonismo não seja essencial...
Aprender, colaborar e inovar: dá para fazer tudo a... Aprender, colaborar e inovar, muito mais que um clichê dos nossos dias, torna-se cada vez mais crítico para as organizações, de verdade. Aprender, co...