#3 – Aprendizagem versus treinamento: como gerar líderes e times inteligentes7 min read

Como equilibrar aprendizagem versus treinamento? Como administrar o conhecimento organizacional, desenvolver as competências essenciais e a conciliar com a pressão por resultados?

aprendizagem versus treinamento

Olá Povo de Deus!

Desejo que esteja muito bem e que cada edição do Homines Formatam contribua para o seu desenvolvimento integral enquanto Líder Inteligente.

Chegamos ao terceiro post da série sobre como equilibrar estratégias para as Learning Organizations!

Para aqueles que nos acompanham, o nosso muito obrigado!

Caso este seja o primeiro artigo sobre o assunto que está lendo, por gentileza acesse:

#1 – Resultados versus objetivos: estratégias para uma Learning Organization

#2 – Hierarquia versus compartilhamento: relações de poder

Apenas para relembrar, esta série foi criada tendo como base o artigo de Simon Horan e Michael Connerty, publicado na Harvard Business Review, sob o título: A boa execução de estratégia exige o equilíbrio de 4 tensões.

Neste post, conversaremos sobre a terceira tensão. Além disso, utilizaremos como fonte para a formação do artigo o Evangelho de Jesus Cristo segundo João 14, 21-26.

Caso seja possível, leia e medite sobre esta passagem em sua Bíblia. No entanto, caso deseje ler na versão online, segue o link da leitura citada.

Aprendizagem versus treinamento: como equilibrar?

Apesar de parecer óbvio, ainda há os que confundem aprendizagem e treinamento.

Aprendizagem sempre será um processo maior, sistêmico e continuado. Já o treinamento, dependendo da estratégia, até pode ser um dos pilares para o desenvolvimento das equipes num processo de Aprendizagem.

O que queremos dizer é que estes dois vocábulos estão longe de ser sinônimos. Então, ao optar pela aprendizagem, a organização precisa adaptar-se e fomentar um espaço propício a esta estratégia.

Quando pensamos em treinamento, imediatamente vem à tona a Era Industrial. Afinal, o treinar é fazer com que as pessoas executem determinada tarefa com maior eficiência.

Contudo, em alguns casos, é essencial que as pessoas saibam como manipular com excelência determinada atividade. Pois, como solicitar que se inove e aloque conhecimento, sendo que nem se imagina como fazer para “funcionar” determinado recurso?

Quando tratamos de treinamento é importante que fique claro que ele terá uma visão técnico-operacional. Portanto, caso a necessidade de desenvolvimento de competências seja esta, mesmo sendo um paradigma da era industrial, a estratégia será muito benéfica também na era do conhecimento.

Aprendizagem versus treinamento: um ou outro?

Apesar de já termos iniciado essa conversa, vale termos um espaço específico para refletirmos.

O que já trouxemos para este artigo é:

a) Aprendizagem é um processo sistêmico e continuado.

b) Treinamento é aplicado para as necessidades técnicas e operacionais.

Então, você imagina que precisamos optar por um caminho ou outro ou que possamos conciliá-los?

Dica: qualquer ação que envolva o desenvolvimento de pessoas deve ser planejado e ligado aos objetivos estratégicos da organização, como já tratamos no #1 resultado versus objetivos.

Veja no caso de Jesus. Em muitos momentos Ele explica os pormenores das Escrituras, como no caso dos discípulos de Emaús (técnico-operacional). Contudo, noutros Ele não dá as respostas prontas, mas possibilita um terreno fértil de aplicação dos conhecimentos dos apóstolos, como é o caso da conversa de Jesus com Judas na passagem que citamos.

No artigo Uma inovação necessariamente torna outra obsoleta?!., evidenciamos a cautela de não seremos sectários. Quando tratamos de aprendizagem, não há um caminho, uma ideia ou apenas uma lógica.

O segredo é saber utilizá-la como insumo e tecnologia, trazendo o aprendiz para o centro de todo planejamento estratégico.

Então quer dizer que devemos treinar as equipes e gerar aprendizagem nos líderes?

aprendizagem versus treinamentoDe forma alguma. Dificilmente um líder será submetido a um treinamento, propriamente dito. Porém, em virtude do pensamento sistêmico, exigido para uma learning organization, pode ser que haja tal ação educacional. Todavia, seria uma exceção à regra.

De outro lado, privar as equipes de terem a possibilidade de um processo de lifelong learning é tolher o que Peter Drucker chama de trabalhadores do conhecimento. Citando suas palavras:

[…] profissionais que sabem como alocar conhecimentos para uso produtivo. Pessoas capazes de incrementar a produtividade e gerar inovação. Esse é um trabalhador que aprende mais, melhor e muito mais rápido; para isso uma nova forma de educação deve surgir. (DRUCKER, 1997).

Neste sentido, é essencial entender e aceitar o quão estratégico é desenvolver as pessoas. Precisa-se imediatamente mudar o paradigma industrial onde o investir no capital humano era visto unicamente como um custo.

Aliás, já trouxemos algumas vezes a diferença entre o paradigma industrial e do conhecimento. Entretanto, acreditamos que se faz salutar evidenciá-lo neste momento:

aprendizagem versus treinamento: paradigma industrial e do conhecimento

Fonte: Aprendizagem e desenvolvimento de pessoas. Paulette Albére Alves de Melo … [et al.]. Rio de Janeiro: Editora FGV:2015, p. 16

Entretanto, sabemos que em um cenário tão conturbado e complexo como o que estamos presenciando nos últimos tempos, a aprendizagem e o treinamento não são prioridades nas organizações. Neste contexto, apresentamos a terceira tensão descrita pelos autores já citados.

Tensão 3: Desenvolvimento de capacidade versus pressão por resultado

De acordo com Horan e Connerty (2018), em virtude das exigências de mudanças na operacionalização das empresas, pela implementação de novas estratégias, há em alguns momentos o descrédito nas necessidades do desenvolvimento de novas competências.

Além disso, a visão de curto prazo (paradigma industrial), faz com que se exija a continuidade das atividades com as competências existentes. Sem, necessariamente desenvolver outras.

aprendizagem versus treinamento: tensões

Freepik.com

Todavia, você também enxerga essas atitudes como um contrassenso?

Já comentamos em outros momentos sobre a teoria da insanidade. Todavia, para os que ainda não conhecem ou desejam relembrar:

A teoria da insanidade é fazer as mesmas coisas e querer que resultados diferentes apareçam.

Neste contexto, imagine que sua organização queira inovar. Contudo, não invista no desenvolvimento das pessoas, que são os únicos que podem gerar e promover novos conhecimentos, sugerir novas ideias ou formas de melhorar determinadas soluções.

Será que haverá criação e manutenção de diferenciais competitivos, sem que haja investimento em melhorar as competências que são essenciais para o ecossistema empresarial?

Equilibrar aprendizagem versus treinamento não é exatamente ligar os objetivos estratégicos da organização com o desempenho do seu elemento humano?

Como equilibrar aprendizagem versus treinamento?

Nós da Conducere temos duas sugestões para que você e sua organização comecem ou continuem a equilibrar aprendizagem versus treinamento:

1- Intelligent Leadership: formação para líderes inteligentes

Intelligent Leadership - Desenvolvimento de LíderesEste programa foi construído para pessoas que desejam ser líderes da transformação de times, empresas e da sociedade.

Nosso propósito é formar o(a) líder em sua integralidade, o que entendemos passar por cinco dimensões: conhecer, aprender, inovar, praticar e ser.

No entanto, esta formação traz duas abordagens, a Personal e a Corporate.

Para saber mais, acesse aqui!

2 – Intelligent Team: formação de times inteligentes

O Intelligent Team teve a preocupação de ser estruturado para absorver a necessidade da lifelong learning da organização. Isso quer dizer que todas as pessoas da empresa, independentemente de seu cargo, são contempladas por este programa de aprendizagem.Intelligent Team

Nosso propósito com o Intelligent Team é utilizar metodologias ativas e inovadoras para que o seu time reconheça o alto valor de conhecimento agregado e mantenha os diferenciais competitivos da sua organização.

Todavia, para saber mais, basta que acesse aqui!

Percebamos que Jesus incentivou a Judas que ensinasse a Palavra a todos. Aqueles que a aceitassem, seriam morada Dele, do Pai e do Espírito Santo.

Judas aprendeu que todo o treinamento e as experiências obtidas durante todo o tempo com Jesus o preparava para algo muito maior.

Portanto, nós também somos chamados a este algo maior em nosso dia-a-dia, seja “pensando fora da caixa” ou equilibrando aprendizagem versus treinamento.

Fiquemos no amor de Deus, Maria e José!

Créditos

DRUCKER, Peter. Sociedade pós-capitalista. 6.ed. São Paulo: Pioneira, 1997, pg. 16.

Texto: Valeska Schwanke Fontana Salvador.

Imagem em destaque no Blog: Freepik.com

Compartilhe

Outros artigos relacionados à Inteligência Corporativa:

Porque você (não) deve criar uma universidade corp... Você já deve ter conhecido alguma, mesmo feito uma visita técnica, ou quem sabe na sua organização há uma UC (Universidade Corporativa), não é mes...
Como o conhecimento e a inovação impactam você e a... Conhecimento e a inovação impactam os profissionais e as empresas. Esta é uma das mensagens de Mariana Mazzucato ao programa Milênio da Globo News. ...
Criar conhecimento na empresa: verdade ou utopia? Criar conhecimento na empresa. Isso não lhe parece título de uma obra familiar? Sim, estou me referindo à obra de Nonaka e Takeuchi, ainda dos anos 19...