Como inserir a aprendizagem baseada em problemas na educação corporativa6 min read

Será que é possível utilizar-se sempre da aprendizagem baseada em problemas na educação corporativa?

Quem nunca, quando criança principalmente, ouviu a célebre frase dos pais: “não adianta falar, que não aprende mesmo! ”.

O interessante é que alguns pesquisadores foram pesquisar sobre isso e descobriram que é a mais absoluta verdade!

Aprendizagem baseada em problemas

aprendizagem-baseada-em-problemasEm 1960, na Universidade McMaster do Canáda e na Maastricht da Holanda, surgiu para as escolas de Medicina, a aprendizagem baseada em problemas. Esta também é conhecida como PBL ou ainda ABProb. Neste tipo de abordagem, a ideia é que cada tema seja transformado em um problema a ser discutido em  grupo e tutorado por um assessor.

 

aprendizagem-baseada-em-projetosAprendizagem baseada em projetos

Já a aprendizagem baseada em projetos, uma denominação utilizada pelas áreas da computação, administração, engenharias, entre outras, no lugar de apenas transformar o tema num problema, os aprendizes são envolvidos em tarefas e desafios para a resolução de problemas. Com isso, o desenvolvimento cognitivo é exigido, com ênfase no pensamento crítico e analítico.

Entretanto, é importante que nos questionemos, é possível aplicar este tipo de aprendizagem em qualquer modelo e em qualquer contexto?

Ao tratar de aprendizagem de adultos (andragogia), a ênfase estará em solucionar problemas, pois afinal, um adulto só se motivará a aprender se o assunto for de seu interesse.

Aqui cabe um parêntese. A aprendizagem ocorre quando conseguimos transformar a informação ou dado em conhecimento. Para a transformação em conhecimento, a nova informação precisa ser tratada como relevante. Caso contrário o cérebro automaticamente a descartará. Quem determina essa “relevância” são as sinapses, que são construídas com base em nossas experiências. Então, descobrir formas diferentes de resolução de uma determinada situação, facilita essa ação dos neurotransmissores e por consequência diminui o tempo da nossa curva de aprendizagem.

Essa curva de aprendizagem se refere ao tempo que qualquer pessoa levará para absorver a nova informação, processo ou mesmo tarefa e colocá-la em prática.

curva-de-aprendizagem

Então, quando nossa audiência é o adulto, devemos sempre utilizar a aprendizagem baseada em problemas ou em projetos?

Para responder essa questão, vamos lembrar dos níveis de domínio cognitivo e para nos ajudar, busquemos Benjamim Bloom com a sua taxonomia:

taxonomia-de-bloom

Percebe que existem níveis diferentes na escada da aprendizagem? Partimos do degrau lembrar até o último, que é criar.

Você imagina que é possível utilizar a mesma estratégia didática para todos os níveis?

Ainda neste contexto, será que poderíamos exigir de um aprendiz que solucionasse um problema se ele não tem a menor ideia do que significa e de como poderia aplicar essa “descoberta” no seu dia-a-dia?

Pense no seguinte, você decide investir em ações e ao chegar na corretora a mesma diga para você: crie sua carteira que nós a administraremos. Imagino que você poderá tomar duas atitudes:

  1. Solicitar ajuda ao analista para que o mesmo o oriente a entender (segundo nível cognitivo) como funciona o mercado de ações ou mesmo indique algumas bibliográficas básicas sobre isso e se ele pode fazer um coaching ou mentoring com você.
  2. Procurar outra corretora.

Isso quer dizer que caso nossos aprendizes não tenham nenhuma, ou pouca, informação sobre o assunto, o mais assertivo não é submetê-los a este nível cognitivo.

Neste sentido, como utilizar esta inovação educacional?

Uma ideia bacana é sempre no momento do planejamento das ações educacionais, pensar em como unir ferramentas e tecnologias, para atingir o objetivo de facilitar o processo de ensino e aprendizagem.

Por exemplo, você já ouviu falar em blended learning?

 Blended learning, ensino híbrido ou semipresencial é uma metodologia que vem ganhando espaço no mundo educacional, tanto no formal (escolas, faculdades, universidades), quanto no informal (educação corporativa, cursos livres). O seu foco está em analisar o que pode ser utilizado na modalidade online e o que é imprescindível, para o desenvolvimento pessoal, que seja realizado com encontros presenciais.

Em relação à aprendizagem baseada em problemas ou projetos, você concorda que este formato se adequa perfeitamente? Afinal, é possível alinhar conceitos através de uma instrução à distância e nos encontros presenciais fomentar problemas baseados no conteúdo abordado.

Uma sugestão próxima a esta é a sala de aula invertida ou flipped classroom. A técnica dessa ferramenta é antecipar para o aprendiz o conteúdo para que o mesmo já tenha o entendimento do que será tratado, e nos encontros presenciais criar cenários para este novo conhecimento seja aplicado.

O estudo híbrido encontra um ambiente favorável na educação corporativa, pois consegue conectar a velocidade das informações, através da modalidade online com as comunidades de práticas (ambiente colaborativo para trocar ideias sobre como melhor resolver determinada situação e após disseminar esta aprendizagem) e ambientes de aprendizagem (grupo de pessoas que visam alinhar e definir novos conceitos), pelo encontro na modalidade presencial.

Na educação formal ainda há um entrave, apesar das tendências apontarem para uma educação mais ativa e disruptiva. Contudo, a legislação e os paradigmas de algumas IES, no Brasil, boicotam essa evolução educacional. Uma constatação para esta afirmação foi o polêmico Ato Regulatório da Educação a Distância, discutido desde 2009 e publicado no dia 09 de março de 2016, que frustrou entidades que esperavam uma redação um pouco menos arcaica para o que a realidade educacional atual exige.

Tendências, técnicas, modelagens e ferramentas educacionais

Existem várias tendências, técnicas, modelagens e ferramentas educacionais disponíveis, que aceleram ao atrapalham o processo de ensino e aprendizagem. Para uma definição adequada da sua próxima ação educacional que tal usar um design thinking e embasa-lo em um projeto de design instrucional?

Veja que os modelos educacionais têm avançando e as inovações tem nos trazido grandes ideias e exemplos de como facilitar a aprendizagem de nosso público-alvo. Talvez, no momento de construir o seu plano educacional você tenha dificuldade de encontrar o que dentro desse universo atenda a sua necessidade específica. Contudo, isso é uma situação que gera muito conhecimento e aprendizagem, não é mesmo?

Repense a forma de submeter aqueles que confiam no seu processo educacional para aprender. Lembre-se que fazer a mesma coisa e querer resultados diferentes é insano, concorda?

Aceite o desafio! Quais inovações educacionais você pode utilizar no seu próximo planejamento educacional?

 

Referências bibliográficas:

BACICH, Liliam.; MORAN, Jose. Aprender e ensinar com foco na educação híbrida. Disponível em: <http://loja.grupoa.com.br/revista-patio/artigo/11551/aprender-e-ensinar-com-foco-na-educacao-hibrida.aspx>. Acesso em: jun. de 2016.

FILATRO, Andrea. Resumo de inovações em tecnologias educacionais. 2016.

MORAN, Jose. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. Disponível em: <www2.eca.usp.br/moran>. Acesso em: jun. de 2016.

______, _____. Mudando a educação com metodologias ativas. 2016.

_____, ______. Aprendizagem ativa através de problemas, projetos e desafios. 2016.

SALVADOR, Valeska Schwanke Fontana. Como o DI se relaciona com as inovações educacionais.

Outros artigos relacionados à Inteligência Corporativa:

Porque você (não) deve criar uma universidade corp... Você já deve ter conhecido alguma, mesmo feito uma visita técnica, ou quem sabe na sua organização há uma UC (Universidade Corporativa), não é mes...
Aqui na empresa já decidimos: vamos inovar só em 2... O tempo é propício para planejamentos e estratégias. Entretanto, sua empresa vai aguardar até o próximo ano para inovar? O momento de inovar é agora! ...
05 Dimensões da Liderança Inteligente Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.As cinco dimensões da l...