Como inserir a aprendizagem baseada em problemas na educação corporativa6 min read

Será que é possível utilizar-se sempre da aprendizagem baseada em problemas na educação corporativa?

Quem nunca, quando criança principalmente, ouviu a célebre frase dos pais: “não adianta falar, que não aprende mesmo! ”.

O interessante é que alguns pesquisadores foram pesquisar sobre isso e descobriram que é a mais absoluta verdade!

Aprendizagem baseada em problemas

aprendizagem-baseada-em-problemasEm 1960, na Universidade McMaster do Canáda e na Maastricht da Holanda, surgiu para as escolas de Medicina, a aprendizagem baseada em problemas. Esta também é conhecida como PBL ou ainda ABProb. Neste tipo de abordagem, a ideia é que cada tema seja transformado em um problema a ser discutido em  grupo e tutorado por um assessor.

 

aprendizagem-baseada-em-projetosAprendizagem baseada em projetos

Já a aprendizagem baseada em projetos, uma denominação utilizada pelas áreas da computação, administração, engenharias, entre outras, no lugar de apenas transformar o tema num problema, os aprendizes são envolvidos em tarefas e desafios para a resolução de problemas. Com isso, o desenvolvimento cognitivo é exigido, com ênfase no pensamento crítico e analítico.

Entretanto, é importante que nos questionemos, é possível aplicar este tipo de aprendizagem em qualquer modelo e em qualquer contexto?

Ao tratar de aprendizagem de adultos (andragogia), a ênfase estará em solucionar problemas, pois afinal, um adulto só se motivará a aprender se o assunto for de seu interesse.

Aqui cabe um parêntese. A aprendizagem ocorre quando conseguimos transformar a informação ou dado em conhecimento. Para a transformação em conhecimento, a nova informação precisa ser tratada como relevante. Caso contrário o cérebro automaticamente a descartará. Quem determina essa “relevância” são as sinapses, que são construídas com base em nossas experiências. Então, descobrir formas diferentes de resolução de uma determinada situação, facilita essa ação dos neurotransmissores e por consequência diminui o tempo da nossa curva de aprendizagem.

Essa curva de aprendizagem se refere ao tempo que qualquer pessoa levará para absorver a nova informação, processo ou mesmo tarefa e colocá-la em prática.

curva-de-aprendizagem

Então, quando nossa audiência é o adulto, devemos sempre utilizar a aprendizagem baseada em problemas ou em projetos?

Para responder essa questão, vamos lembrar dos níveis de domínio cognitivo e para nos ajudar, busquemos Benjamim Bloom com a sua taxonomia:

taxonomia-de-bloom

Percebe que existem níveis diferentes na escada da aprendizagem? Partimos do degrau lembrar até o último, que é criar.

Você imagina que é possível utilizar a mesma estratégia didática para todos os níveis?

Ainda neste contexto, será que poderíamos exigir de um aprendiz que solucionasse um problema se ele não tem a menor ideia do que significa e de como poderia aplicar essa “descoberta” no seu dia-a-dia?

Pense no seguinte, você decide investir em ações e ao chegar na corretora a mesma diga para você: crie sua carteira que nós a administraremos. Imagino que você poderá tomar duas atitudes:

  1. Solicitar ajuda ao analista para que o mesmo o oriente a entender (segundo nível cognitivo) como funciona o mercado de ações ou mesmo indique algumas bibliográficas básicas sobre isso e se ele pode fazer um coaching ou mentoring com você.
  2. Procurar outra corretora.

Isso quer dizer que caso nossos aprendizes não tenham nenhuma, ou pouca, informação sobre o assunto, o mais assertivo não é submetê-los a este nível cognitivo.

Neste sentido, como utilizar esta inovação educacional?

Uma ideia bacana é sempre no momento do planejamento das ações educacionais, pensar em como unir ferramentas e tecnologias, para atingir o objetivo de facilitar o processo de ensino e aprendizagem.

Por exemplo, você já ouviu falar em blended learning?

 Blended learning, ensino híbrido ou semipresencial é uma metodologia que vem ganhando espaço no mundo educacional, tanto no formal (escolas, faculdades, universidades), quanto no informal (educação corporativa, cursos livres). O seu foco está em analisar o que pode ser utilizado na modalidade online e o que é imprescindível, para o desenvolvimento pessoal, que seja realizado com encontros presenciais.

Em relação à aprendizagem baseada em problemas ou projetos, você concorda que este formato se adequa perfeitamente? Afinal, é possível alinhar conceitos através de uma instrução à distância e nos encontros presenciais fomentar problemas baseados no conteúdo abordado.

Uma sugestão próxima a esta é a sala de aula invertida ou flipped classroom. A técnica dessa ferramenta é antecipar para o aprendiz o conteúdo para que o mesmo já tenha o entendimento do que será tratado, e nos encontros presenciais criar cenários para este novo conhecimento seja aplicado.

O estudo híbrido encontra um ambiente favorável na educação corporativa, pois consegue conectar a velocidade das informações, através da modalidade online com as comunidades de práticas (ambiente colaborativo para trocar ideias sobre como melhor resolver determinada situação e após disseminar esta aprendizagem) e ambientes de aprendizagem (grupo de pessoas que visam alinhar e definir novos conceitos), pelo encontro na modalidade presencial.

Na educação formal ainda há um entrave, apesar das tendências apontarem para uma educação mais ativa e disruptiva. Contudo, a legislação e os paradigmas de algumas IES, no Brasil, boicotam essa evolução educacional. Uma constatação para esta afirmação foi o polêmico Ato Regulatório da Educação a Distância, discutido desde 2009 e publicado no dia 09 de março de 2016, que frustrou entidades que esperavam uma redação um pouco menos arcaica para o que a realidade educacional atual exige.

Tendências, técnicas, modelagens e ferramentas educacionais

Existem várias tendências, técnicas, modelagens e ferramentas educacionais disponíveis, que aceleram ao atrapalham o processo de ensino e aprendizagem. Para uma definição adequada da sua próxima ação educacional que tal usar um design thinking e embasa-lo em um projeto de design instrucional?

Veja que os modelos educacionais têm avançando e as inovações tem nos trazido grandes ideias e exemplos de como facilitar a aprendizagem de nosso público-alvo. Talvez, no momento de construir o seu plano educacional você tenha dificuldade de encontrar o que dentro desse universo atenda a sua necessidade específica. Contudo, isso é uma situação que gera muito conhecimento e aprendizagem, não é mesmo?

Repense a forma de submeter aqueles que confiam no seu processo educacional para aprender. Lembre-se que fazer a mesma coisa e querer resultados diferentes é insano, concorda?

Aceite o desafio! Quais inovações educacionais você pode utilizar no seu próximo planejamento educacional?

 

Referências bibliográficas:

BACICH, Liliam.; MORAN, Jose. Aprender e ensinar com foco na educação híbrida. Disponível em: <http://loja.grupoa.com.br/revista-patio/artigo/11551/aprender-e-ensinar-com-foco-na-educacao-hibrida.aspx>. Acesso em: jun. de 2016.

FILATRO, Andrea. Resumo de inovações em tecnologias educacionais. 2016.

MORAN, Jose. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. Disponível em: <www2.eca.usp.br/moran>. Acesso em: jun. de 2016.

______, _____. Mudando a educação com metodologias ativas. 2016.

_____, ______. Aprendizagem ativa através de problemas, projetos e desafios. 2016.

SALVADOR, Valeska Schwanke Fontana. Como o DI se relaciona com as inovações educacionais.

Outros artigos relacionados à Inteligência Corporativa:

05 Dimensões da Liderança Inteligente Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.As cinco dimensões da l...
E-book: Porque as videoaulas não geram aprendizage... Videoaulas, apesar de um ser recurso educacional interessante não geram necessariamente aprendizado. Veja o motivo  através da leitura deste e-book. ...
E-book: Guia para otimizar investimentos e prioriz... Neste e-book sobre como otimizar investimentos e priorizar capacitações, trazemos dicas de como repensar o seu processo de desenvolvimento de pess...